O que houve com o A3

Alguns leitores ficaram confusos aqui, com relação a algo que postei dia desses falando sobre o domínio A3.
Vou os esclarecer de fato o que aconteceu.

Como eu disse, não tenho pretensão mais de usar esta marca, e não vi num primeiro momento, nem um problema em que outra pessoa a usasse.
Mas, quando foi feita a venda do A3 para a Corsi Tecnologia em 2018, havia cláusula contratual que eu não me lembrava, que dispunha da proibição de concorrência direta entre a marca A3 e seu criador.
Sendo assim, sua nova aquisidora, Victoria Kendrexy, não poderia o usar para fins jornalísticos.
A Onor, ex-dona do A3, pediu na Justiça a suspensão do uso do domínio porque tentou negociar com Victoria mas não obteve sucesso.
Eu entrei nessa disputa, porque fui o criador, e quis meus direitos resguardados.
A minha advogada só fez um erro de cálculo que já foi corrigido na petição processual.
O que pedíamos é que fosse respeitado o contrato com a Corsi, impedindo o uso A3 por 10 anos em material jornalístico, ao contar da data da venda, 2018/2028.
No erro de cálculo ela escreveu 30 anos mas um erro de digitação, já corrigido no processo, conforme volto a reiterar.

Reafirmo novamente que não tenho nada contra Victoria ou seu grupo de comunicação que se forma, e desejo sorte.
Só não podem desrespeitar algo que estava em regra contratual, e usar uma marca antes patenteada por nós.